PAINEL DE ADMINISTRAÇÃO:      Esqueceu a senha?
Portal de busca e informações na área da saúde.
Os menus acima     podem ser acessados com um clique.
Busca em todo conteúdo do portal com resultados categorizados.
mais lidos todos os artigos

Tratamento de Varizes
No período entre inverno e primavera é uma constante no consultório do cirurgião vascular a procura do tratamento de doença venosa, pois com a chegada do verão, as pernas voltam a ficar em evidência, uma preocupação para quem tem varizes. Este é um mal que atinge tanto homens como  mulheres ( no entanto estas são a maioria, pois cerca de 70% da população feminina é acometida de varizes).

Além de ser de origem hereditária, as varizes também aparecem por influência do estrógeno (hormônio feminino que causa a dilatação das veias). E entre fatores desencadeantes estão a obesidade, o sedentarismo, as gestações, o uso de pílulas anticoncepcionais e os exercícios físicos de impacto. Ficar muito tempo em pé ou sentada, e usar salto alto abusivamente também podem causar varizes.
 
Hoje há técnicas modernas que garantem excelentes resultados. Para quem precisa se submeter a uma cirurgia para deter o problema, o endolaser (EVLT - Endovenous Laser Therapy) é uma excelente opção. Este método é indicado para varizes de médio e grosso calibre, produzindo melhora imediata. Uma fibra ótica é introduzida na veia a ser tratada e, a medida em que a fibra percorre a veia, a luz do laser é liberada pela ponta do aparelho. Esse procedimento fecha as paredes da veia, que perde sua função, e o organismo desvia o sangue circulante para as veias saudáveis. A veia fechada é reabsorvida pelo organismo. A técnica é minimamente invasiva, sem cicatrizes, quase não há sangramento, e não há risco de lesão dos vasos linfáticos e do nervo safeno. Além do mais, causa poucos hematomas. Outra vantagem é que requer apenas um dia de repouso. O paciente pode andar no mesmo dia da cirurgia. Após 24 horas, é possível dirigir e retornar ao trabalho. Após 3 a 5 dias, pode-se fazer caminhada, natação e hidroginástica. Para outros exercícios físicos são necessários 15 dias. A melhor indicação deste tratamento é possibilitar mais conforto ao paciente por sentir pouca dor, rapidez no tratamento, sem haver necessidade de parar as atividades do cotidiano, além do procedimento utilizar as técnicas mais modernas e eficientes para solucionar o problema.

Também é possível tratar as varizes com cirurgia convencional. Nesta cirurgia, a veia é retirada, portanto, teremos hematomas significativos e há a possibilidade de machucar vasos linfáticos, tornando a recuperação prolongada. Existe ainda, quando retiramos as safenas, a possibilidade de se lesar o nervo safeno, com recuperação parcial ou total do mesmo a longo prazo. O repouso pós-operatório na cirurgia convencional é de 15 dias, quando então o paciente pode andar, dirigir e voltar ao trabalho. Dependendo da atividade física, o retorno é em torno de 30 dias.

Nem sempre o caso é cirúrgico, e aí estamos falando das microvarizes e telangiectasias. Microvarizes são veias de tonalidade azul ou azul esverdeada e seu tamanho varia de 0,5 até 2 mm, as telangiectasias são minúsculas veias avermelhadas ou arroxeadas, bem fininhas (até 0,5mm de diâmetro). O tratamento pode ser feito com laser, ou pelo método convencional de esclerose por injeção, com exceção das telangiectasias na região do rosto, nariz e colo. Se for este o caso, só mesmo o laser. Imediatamente após o tratamento o sangue coagula e as paredes do vaso são destruídas. Ao longo do tempo, o vaso desaparece. O método não causa reação alérgica ou manchas roxas, e pode ser utilizado em qualquer tipo de pele.

Um exame clínico do médico especialista vai determinar qual entre todos os tratamentos disponíveis melhor se adapta a cada caso, avaliando sob bases estritamente científicas e aceitas interna-cionalmente. Geralmente, há necessidade de optar pelo “tratamento combinado”, onde utilizamos as técnicas adequadas para resolucionar o problema do paciente ( disponibilizamos as tecnologias de laser, a escleroterapia e a cirurgia (convencional e endolaser).
Artigo publicado na:
Revista Feedback