PAINEL DE ADMINISTRAÇÃO:      Esqueceu a senha?
Portal de busca e informações na área da saúde.
Os menus acima     podem ser acessados com um clique.
Busca em todo conteúdo do portal com resultados categorizados.
mais lidos todos os artigos

Densiometria e seus Avanços Diagnósticos
A Densitometria óssea, com emissão de Raio-X de dupla energia é considerada uma técnica avançada para medir a densidade do osso e avaliar a composição corporal.

Este exame é o melhor método para diagnóstico de osteoporose, para avaliação do risco de fratura osteoporótica e para acompanhar o resultado do tratamento.
A osteoporose é uma doença que leva a fragilidade dos ossos, aumentando a suscetibilidade a fraturas, principalmente em nível de coluna vertebral, de quadril e dos ossos do punho.

Apesar de a osteoporose ser um problema mais freqüente em mulheres na menopausa, também pode ocorrer em ambos os sexos e em qualquer idade. No homem deve ser pesquisa de rotina acima dos 70 anos.

O diagnóstico de osteoporose deve ser suspeitado quando estiver associado à perda de altura, deformidade da coluna vertebral e presença de dor. Este último sintoma quando presente já pode ser sinal de fratura.

A densitometria esta tendo uma evolução tecnológica fantástica. Com o novo aparelho “Densitômetro Lunar Prodigy” que conta com tecnologia de última geração e incorpora os mais recentes avanços científicos.

Este aparelho permite realizar os exames em um período de tempo muito menor em relação aos aparelhos tradicionais de densitometria, proporcionando uma melhor qualidade e fidelidade dos resultados, e o que é mais importante, o paciente recebe uma dose de radiação dez vezes menor.

Este novo aparelho também permite realizar a densitometria de corpo total,  e para isto,  divide o corpo em três compartimentos:

Densidade Óssea
Massa Muscular
Massa Gordurosa

A densitometria de corpo total permite quantificar o tecido muscular e o percentual de gordura existente no organismo. Este exame é muito importante de ser realizado em populações de indivíduos obesos. O limite de peso para avaliação da massa corporal é de 150 kg.

Um importante diferencial deste novo aparelho é a rapidez com que o exame é realizado. O exame de corpo total leva em torno de 5 minutos, e quando se realiza o exame para pesquisar a presença de osteoporose na coluna lombo-sacra e no fêmur demora em torno de 1 minuto. Isto proporciona um maior conforto ao paciente e consequentemente, o que é mais importante, uma exposição muito menor a radiação.
Entre os diferenciais deste aparelho podemos citar:

  • Diagnóstico de microfraturas em vértebras;
  • Realização de densitometria em crianças;
  • Avaliar e quantificar o nível de gordura do paciente.

Essa avaliação nos orienta a identificar quando o paciente esta fazendo uma atividade física de modo incorreto através do diagnóstico da perda de massa muscular. Com isto é importante enfatizar a realização de uma avaliação antes do inicio da atividade física proposta e reavaliar após um determinado tempo. Muitas vezes, no intuito de melhorarmos o nosso condicionamento físico, exageramos na atividade física, ocasionando danos graves ao nosso organismo.

Toda a paciente diabética deve ser orientada a fazer periodicamente sua avaliação de massa gordurosa.

Toda paciente com obesidade mórbida (limite 120 kg) que vai se submeter a uma cirurgia bariátrica, isto é, cirurgia redutora do estômago deve realizar previamente a medida de seu nível de gordura e massa muscular, para que se possa realizar uma nova avaliação, após um determinado tempo da realização da cirurgia.

O exame de corpo inteiro, ou a posição corporal por densitometria, é um método de escolha para obter-se o conteúdo de gordura e massa magra (músculos, vísceras e água corporal) do organismo, além de fornecer a densidade mineral óssea total do esqueleto.

A análise da composição corporal é útil na avaliação nutricional do individuo na fase de crescimento e aquisição de massa óssea, em programas de condicionamento físico, na evolução e tratamento de muitas doenças que afetam a massa óssea.
Artigo publicado na:
Revista Feedback